FMI revê em alta previsões de crescimento global para 2017 e 2018

0

(DJ Bolsa)– A aceleração da economia mundial desde o início do ano tem sido mais forte do que as estimativas anteriores, com um aumento em curso em quase todas as principais economias do mundo, disse o Fundo Monetário Internacional antes de uma reunião dos líderes mundiais das finanças, esta semana em Washington.

No seu principal relatório, conhecido como World Economic Outlook, o FMI reviu em alta a previsão de crescimento para 3,6% este ano e 3,7% no próximo, uma aceleração face ao crescimento de 3,2% registado em 2016.

Os dados são superiores 0,1 ponto percentual em cada um dos anos face à última ronda de projeções, lançada em julho.

A retoma foi prenunciada por muitos responsáveis de política monetária e economistas. O FMI concordou que, a curto prazo, a economia global alcançou um grau de impulso que escapava ao crescimento global há vários anos.

“A atual aceleração global também é notável pela sua amplitude — mais do que em qualquer momento desde o início desta década”, disse o economista-chefe do FMI, Maurice Obstfeld.

Mas a organização também advertiu que a recuperação da crise financeira de 2007-09 permanece incompleta e que os riscos latentes podem regressar dentro de alguns anos.

“Os responsáveis de política devem aproveitar o momento: a recuperação ainda está incompleta em aspetos importantes e a janela de oportunidade que a atual tendência de subida oferece não estará aberta para sempre”, disse Obstfeld.

As melhorias não foram grandes, mas foram verificadas em quase todo o globo, com aumentos de 0,1 ou 0,2 pontos percentuais nos EUA, Zona Euro, Japão e China. A previsão de crescimento do Canadá subiu 0,5 pontos face à estimativa de julho e noutras economias avançadas a revisão em alta foi de 0,3 pontos.

Entre as 10 maiores economias do mundo, o Reino Unido foi o único de que se espera ver o crescimento abrandar em 2017 e 2018, pressionado pela depreciação da libra após a decisão do Reino Unido de sair da União Europeia.

– Por Josh Zumbrun (Josh.Zumbrun@wsj.com)

Partilhar

A seção de comentários está encerrada.