G-20: Líderes fazem cedências no comércio; continuam divididos sobre clima

0

HAMBURGO (DJ Bolsa)– Os líderes do Grupo dos 20 países mais industrializados e em desenvolvimento do mundo, ou G-20, prometeram no sábado lutar contra o protecionismo e garantir um comércio justo. Os responsáveis alcançam assim um consenso depois de o Presidente dos EUA, Donald Trump, ter adotado uma postura unilateral que expôs uma divisão entre as maiores economias mundiais.

No entanto, face ao impulso político contra a globalização e o aumento dos movimentos políticos alternativos nos últimos anos, o G-20 afastou-se de um compromisso inequívoco com o comércio livre pela primeira vez desde sua cimeira inaugural em 2008. Em vez disso, reconheceu a necessidade de medidas defensivas na procura de um comércio equilibrado.

Numa outra decisão sem precedentes, o grupo rompeu a unanimidade no seu comunicado final, dividindo a posição dos EUA sobre a mudança climática da dos outros membros.

No comunicado conjunto emitido no final da cimeira, o G-20 notou “a importância de estruturas de comércio e investimento mutuamente vantajosas”. Mas num reconhecimento às preocupações de Trump e outros líderes sobre desequilíbrios comerciais, o grupo também disse que “vai esforçar-se para garantir condições de igualdade”. A frase parece refletir as preocupações dos EUA e de alguns Estados-membros europeus sobre a crescente expansão da China na economia global.

Garantir o apoio de Trump, cujas políticas “América Primeiro” colocam um choque potencial com a ordem económica internacional, foi o tema dominante entre os responsáveis, à medida que a reunião se aproximava do fim.

“As negociações sobre o problema do clima refletiram a divergência – todos contra os EUA”, disse a chanceler alemã, Angela Merkel, que assumiu a presidência rotativa do G-20 no ano passado. “As negociações sobre as questões comerciais foram especialmente difíceis também em resultado de certas posições assumidas pelos EUA.”

Um responsável europeu disse que as conversações demonstraram que pode ser reconstruído lentamente um consenso internacional novo e diferente sobre questões económicas, apesar dos desafios lançados pelas posições de Trump.

– Por Emre Peker (emre.peker@wsj.com), William Horobin (William.Horobin@wsj.com)

– Anton Troianovski, Andrea Thomas contribuíram para este artigo

Partilhar

A seção de comentários está encerrada.