Portugal: Comissão Europeia aponta a contração de 9,3% em 2020

0

LISBOA (DJ Bolsa/Webtexto)– A Comissão Europeia revelou esta quinta-feira que a economia de Portugal deve contrair 9,3% em 2020 devido à pandemia, antes de recuperar 5,4% em 2021.
A projeção de Bruxelas é a mais pessimista do que a do governo, que inscreveu no Orçamento do Estado uma contração de 8,5% este ano. Para 2021, ambas as previsões estão alinhadas.
“Após uma queda acentuada do PIB no segundo trimestre de 2020, a economia de Portugal começou a recuperar nos meses de verão”, escreveu a Comissão, nas projeções de outono da entidade. Bruxelas considera, no entanto, que setores como o turismo ainda estão “bem abaixo do nível pré-pandemia” e programados para recuperar apenas “gradualmente”.
Na frente laboral, a trajetória pós-pandemia é de recuperação gradual, estima a Comissão Europeia. O organismo prevê que Portugal feche 2020 com uma taxa de desemprego de 8,0%, perspetivando uma redução para 7,7% em 2021 e 6,6% em 2022.
“O mercado de trabalho parece mais resiliente, mas ainda está a absorver [o impacto]da grande queda de horas trabalhadas e da taxa de participação”, diz o documento.
A pandemia também vai causar um rombo nas contas públicas, que terão de suportar um deficit de 7,3% do PIB este ano. Em 2021, o cenário melhora, com a recuperação associada ao controlo da pandemia, mas continua negativo: o deficit deverá atingir os 4,5% do PIB.
“A política orçamental foi chamada para sustentar economia em 2020 e 2021, o que prejudica as finanças públicas”, escreve a Comissão Europeia.
O pacote de medidas do governo de António Costa deve “levar a um aumento das despesas correntes, sobretudo em subsídios e transferências sociais, bem como em despesas de capital ligadas ao resgate de companhias aéreas”, refere a Comissão Europeia.
– Por Gonçalo Saraiva Amaro (gonçalo.amaro@webtexto.pt)

Partilhar

A seção de comentários está encerrada.