BARRON’S: Tesla pode deixar de ser a querida dos mercados

0

(DJ Bolsa)– A Ford e a GM podem apreciar à medida que os investidores antecipam uma inversão do mercado e a Tesla pode cair, disse a revista norte-americana Barron’s, na edição deste fim de semana.

O esperado abrandamento automóvel parece ter chegado e isso pode ser uma boa notícia para as ações da Ford Motor e da General Motors. Ambas as fabricantes automóveis reportaram na semana passada vendas nos EUA em abril que ficaram abaixo das expectativas e as ações desceram 3% cada. No longo prazo, à medida que estas empresas demonstram capacidade para se manterem rentáveis apesar da descida da indústria, conseguirão ganhar uma valorização maior por parte dos investidores.

As contas algo complicadas estão relacionadas com a avaliação que Wall Street faz de empresas cíclicas. A General Motors vendeu um número recorde de 10 milhões de automóveis em termos mundiais no ano passado e a Ford teve os melhores resultados em 11 anos, com 6,7 milhões de carros vendidos. Mas vender muitas unidades — e reportar resultados recorde — não deixa os mercados muito excitados. A tendência é para que a avaliação das empresas do setor auto e ouras cíclicas seja feita com base nos fundos de resultados.

Os investidores estão a transacionar a Ford e a GM com base naquilo que imaginam que acontecerá quando as vendas de veículos se desvanecerem após o aumento que dura há vários anos. Em 2008, o cenário ficou negro para ambas as empresas: os prejuízos operacionais conjuntos foram de $8,7 mil milhões nesse ano, no auge da crise financeira. Em junho de 2009, a GM pediu proteção dos credores.

Desde então, as empresas cortaram custos e criaram um negócio sustentável. A GM lucrou $6 por ação e a Ford $2 por ação nos picos mais recentes. Na próxima recessão, estes números podem cair para metade, mas a confiança dos investidores na durabilidade do negócio automóvel em todas as condições do mercado pode aumentar.

Já a Tesla, a querida de Wall Street, tem um problema diferente. As ações caíram 2% na semana passada, depois de a empresa ter registado um prejuízo acima do esperado no primeiro trimestre. Os investidores estão a braços com a transição de uma fabricante de automóveis de luxo para uma fornecedora do mercado de massas. O CEO Elon Musk admitiu que a Tesla está a sofrer com alguma confusão em termos de marca, com alguns potenciais clientes a assumirem que o Modelo 3, de $35.000, é um substituto do Modelo S, com preços a partir de $70,000.

A Tesla ganhou 45% nos últimos 12 meses, impulsionada pelas expectativas do Modelo 3, que deve ser lançado este ano. No entanto, o lançamento pode afetar a ação, uma vez que está descontado pela perfeição. Depois de o Modelo 3 estar na rua, os investidores podem passar de comprar o rumor para venderem a confirmação.

Digamos assim: pensar em vender carros deixa Wall Street em êxtase. Vendê-los nem tanto.

– Por Alex Eule

Partilhar

A seção de comentários está encerrada.